Comportamento
Cada vez que temos uma ideia somos logo tomados pela capacidade de antecipar bons resultados, de tentar estabelecer uma verdadeira degustação do que pode acontecer de bom na nossa vida. Essa é a característica que ganha mais evidência à medida que as pessoas são mais criativas. Agora, para que essa pessoa criativa passe a ter uma característica mais próxima dos acabativos, ou seja, daquelas pessoas que pegam ou têm uma ideia e a levam até o final, é necessário avaliar que tipo de comportamento você tem junto a sua vida profissional. Algumas pessoas são extremamente competentes quando o assunto é obedecer regras, obedecer normas e seguir a orientação de outras pessoas.

*****
Promessas
É o que eu chamo de executivos corporativos cuja principal característica é pegar uma tarefa e levá-la até o fim. Porém, de outro lado, essas pessoas nem sempre conseguem ter a mesma disciplina, a mesma responsabilidade e até mesmo a mesma dedicação quando elas concebem ideias, quando elas determinam os fatos, prazos e entregas de determinado projeto. Algo mais ou menos assim: quando o chefe pede algo na empresa pode dormir sossegado porque sabe que aquele funcionário irá entregar 100% daquilo que foi pedido. Entretanto, esse mesmo profissional, esse mesmo funcionário, ao final do ano promete fazer uma série de coisas na sua vida, no ano seguinte e acaba não colocando em prática porque aí ele tinha a liberdade, ele tinha o domínio, ele tinha o poder de determinar fases, prazos e resultados.

*****
Repetição
Por isso a recomendação é relativamente simples. Quando você perceber que tem a característica de alguém que tem dificuldades quando não tem uma linha de comando, comece a criar uma espécie de avatar, uma espécie de chefia virtual que irá se comportar literalmente como você precisa receber a linha de comando para poder executá-la. O nome disso é gatilho mental. É uma ação consciente que de tanto ser repetida nos leva a comportamentos inconscientes. Às vezes criar o chefe virtual é um gatilho mental que falta para que você profissional comece a agir na sua vida pessoal com a mesma competência com que você age no mundo corporativo. Pense nisso! Para a coluna Visão Empresarial

Luciano Salamacha