Um erro que muitos profissionais cometem é analisar um fato a partir, única e somente, do seu modelo de pensar, da sua escala de valores. Algo assim: “eu achei que não deveria ter ajudado naquela situação porque queria respeitar o espaço do outro, eu não gostaria que as pessoas se envolvessem dentro da minha área. Quando eu tenho um problema, prefiro assumir a responsabilidade dos meus atos a permitir que outras pessoas venham a interferir na minha maneira de agir”. Quero te convidar, leitor da coluna Visão Empresarial, a entendermos juntos, onde está o erro.

*****
Arriscar
Em primeiro lugar, um profissional que não aceita ajuda achando-se responsável por arcar com a sua área, está cometendo um erro seríssimo. A área nunca foi desse profissional, o emprego dado a ele pela empresa é um emprego temporário e ele não pode querer achar que consegue arcar com as responsabilidades simplesmente dizendo que foi o culpado. Lembro da situação em que um profissional me disse que colocava o cargo a disposição e eu respondi na hora: você não pode colocar o cargo que você tem a disposição porque não está nas suas mãos. A empresa pode te demitir a hora que quiser. Outro profissional me disse: “eu me responsabilizo, eu assumo se não der certo”. Eu perguntei: “você está disposto a pagar o prejuízo que eventualmente venha a ter, com o dinheiro do seu próprio bolso, colocar o seu patrimônio pessoal para responder em relação ao seu erro?”

*****
Direito
Perceba que é muito fácil dentro das organizações um profissional querer dizer que é responsável e que não aceita a ajuda dos colegas, quando na verdade ele não pode usar a sua escala pessoal para determinar a cultura corporativa. O macete é bem simples. Você não tem o direito de recusar ajuda e muito menos de querer achar que parte da empresa é única e exclusivamente sua propriedade. Você está lá para fazer o serviço e precisa de pessoas a sua volta. Assim, passe a aceitar ajuda e melhorar o seu próprio desempenho. Pense nisso! Para a coluna Visão Empresarial

Luciano Salamacha